A pesquisa me desmente

A pesquisa divulgado pelo Instituto Seta semana passada também ouviu os potiguares que têm filhos matriculados sobre sua avaliação acerca da qualidade da educação na rede pública estadual de ensino. E os números foram surpreendentes (ao menos pra mim).


Estudantes da Escola Estadual Atheneu Norte-Riograndense, visitada semana passada pela equipe do blog.


A pesquisa divulgado pelo Instituto Seta semana passada também ouviu os potiguares que têm filhos matriculados sobre sua avaliação acerca da qualidade da educação na rede pública estadual de ensino. E os números foram surpreendentes (ao menos pra mim).

Ao contrário de tudo o que tenho dito, os pais de alunos aprovam a qualidade do ensino em nossas escolas estaduais. 45,9% deles avaliam a educação ofertada na rede estadual como “ótima” ou “boa”. Outros 31,9% a classificam como “regular”. Para para apenas 21,9% ela é “ruim” ou “péssima”.

Quando os números falam, os parvos se calam – diz o ditado. Realmente, não tenho filhos nem frequento as salas de aula. Minha visão do nosso quadro educacional é indireta. O recado que a pesquisa me dá é que vivo numa bolha de descontentamento, na qual os interlocutores – alunos, professores e até alguns pais de estudantes – exageram na visão pessimista sobre a qualidade de nosso ensino. É isso o que a pesquisa diz. O bom senso me manda aceitar o fato. Mas vivemos em tempos de pouco bom senso e eu também não estou imune a esse risco.

Sobre a pesquisa

A pesquisa do Instituto Seta ouviu 1.700 pessoas em 51 municípios do Estado entre os dias 22 e 24 de maio. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais, para mais ou menos, com índice de confiança de 95%.


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *