Arméli Brennand dá lição de responsabilidade política com sua justa e necessária admissão

Nesta semana, Arméli Brennand, secretária-adjunta de Administração Penitenciária, reconheceu oficialmente a ocorrência de casos de tortura em presídios do Rio Grande do Norte. Foi a primeira vez que uma autoridade do governo estadual admitiu as violações que vêm sendo denunciadas há anos por diversos órgãos e atores sociais. Em uma entrevista à 98 FM, a…

Nesta semana, Arméli Brennand, secretária-adjunta de Administração Penitenciária, reconheceu oficialmente a ocorrência de casos de tortura em presídios do Rio Grande do Norte. Foi a primeira vez que uma autoridade do governo estadual admitiu as violações que vêm sendo denunciadas há anos por diversos órgãos e atores sociais.

Em uma entrevista à 98 FM, a secretária afirmou que a tortura existe tanto no sistema penitenciário do RN quanto no sistema prisional do país como um todo. Dizendo que existem profissionais ruins em qualquer lugar, também reafirmou sua convicção que há entre eles os que sejam excelentes profissionais.

Ela tem razão e – sobretudo – teve coragem. Atitude louvável para um gestor público essa: dar à sociedade clareza sobre a realidade dos problemas que devem enfrentados. Nosso blog não cobra dos gestores soluções mágicas, mas sim gestos como esse, que permitem que o debate sobre a realidade do RN seja feito democraticamente.

Arméli Brennand também rebateu as críticas feitas por policiais penais, que afirmaram que o órgão poderia fragilizar o controle do sistema penitenciário. Seu argumento singelo: se a autoridade penal desempenha seu trabalho com responsabilidade, transparência e seguindo a lei, não há motivo para que isso gere incômodo. De tão singelo e certeiro, certamente causará revolta.

A preocupação com a tortura dentro dos presídios do estado é antiga e vem sendo cobrada desde 2017, quando explodiram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz os sangrentos conflitos entre detentos, que resultaram na morte de pelo menos 27 pessoas. Pelo menos, porque até hoje não sabemos exatamente o que aconteceu naquela ocasião.

A atitude de Arméli Brennand devia constar do manual de conduta política dos gestores públicos. Seria muito mais benéfico que os insossos media training que educam nossos dirigentes a se tornarem evasivos e irrelevantes.


Comments

Uma resposta para “Arméli Brennand dá lição de responsabilidade política com sua justa e necessária admissão”

  1. E desse tipo de pessoa que necessitamos no poder publico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *