Arquidiocese quer pôr na rua famílias da Ocupação Padre Tiago Theisen

Há 18 dias, o Movimento de Luta por Moradia Popular (MLMP) ocupa um terreno onde ficava a antiga residência do Padre Tiago Theisen, abrigando 225 famílias em Natal. O objetivo da ocupação é chamar a atenção das autoridades para o problema habitacional na capital potiguar.

O local foi batizado pelo movimento de “Ocupação Padre Tiago Theisen”, em homenagem ao religioso que tanto lutou pela dignidade dos excluídos. Padre Tiago Theisen certamente aprovaria o novo uso que deram ao terreno que já o abrigou. 250 famílias com a esperança de ter onde viver, no lugar em que havia lixo e sujeira e abandono.

Mas a Arquidiocese de Natal parece pensar diferente. Ela decidiu entrar com uma ação de despejo, gerando tensão entre os ocupantes e as autoridades religiosas.

Diante da situação, a Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (SETHAS) e a Companhia Estadual de Habitação e Desenvolvimento Urbano (CEHAB) convocaram uma reunião com o Movimento para discutir possíveis soluções.

Para o líder do movimento, Wellington Bernardo, a situação de falta de moradia digna é uma realidade para muitas famílias da região, e a ocupação é uma forma de pressionar as autoridades a encontrar uma solução.

Enquanto as autoridades buscam uma solução, as famílias da ocupação seguem firmes em sua luta por moradia digna e por seus direitos básicos. A ocupação Padre Tiago Theisen tem sido acompanhada de perto pelas autoridades e pela imprensa local, gerando debates sobre o direito à moradia e a importância de políticas públicas que garantam o acesso à habitação para todos os cidadãos. Só por isso, já merece nosso aplauso.