As contradições da pesquisa Brâmane sobre São Gonçalo

Os números da Brâmane sobre São Gonçalo do Amarante divulgados hoje em Natal revelaram mais do que o próprio instituto gostaria.

Primeiro, porque deixaram muito claro quem encomendou a pesquisa. Todo levantamento é encomendado e pago por alguém. Veículos de comunicação até emprestam os nomes para constarem como pagantes, mas a verdade é que alguém faz a despesa para ter os números divulgados, de acordo com o seu interesse.

A tentativa de criar um paraíso para uns e um inferno para outros acabou por deixar impressões digitais muito evidentes. Não houve disfarce. E aí ficou fácil de entender os serviços e os desserviços prestados.

Tanto não houve esse cuidado que a pesquisa trouxe contradições escrachadas. Coisa de amador.

A maior delas é que, segundo o levantamento, 73,5% da população desaprova a atual gestão, porém em outra pergunta, uma minoria dessa mesma população, apenas 18%, afirma que a cidade está “piorando”. Para a maioria, 59%, São Gonçalo está melhor ou do mesmo jeito. Se 59% está validando, 73,5% não pode manifestar desaprovação.

Uma contradição grosseira, mais uma na verdade, que termina de escancarar um trabalho mal feito e totalmente direcionado.