Caos na saúde: corte de verbas federais impõe redução severa nos atendimentos do HUOL

Uma redução do orçamento previsto para o ano de 2022 levou o Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) a desativar salas de cirurgias e suspender atendimentos em diversos setores. As medidas de contingenciamento foram oficializadas na tarde de segunda-feira, 7, por meio de uma resolução assinada pelo superintendente do hospital, Stenio Gomes da Silveira. No documento,…

Uma redução do orçamento previsto para o ano de 2022 levou o Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL) a desativar salas de cirurgias e suspender atendimentos em diversos setores.

As medidas de contingenciamento foram oficializadas na tarde de segunda-feira, 7, por meio de uma resolução assinada pelo superintendente do hospital, Stenio Gomes da Silveira.

No documento, a direção da unidade determina:

Suspensão de internação no 1º e 4º andares de Edifício Central de Internação (ECI)
Redução do funcionamento do centro cirúrgico principal, com quatro salas: duas salas de média complexidade, uma sala de alta complexidade e uma sala de atividade mista.
Suspensão de atividades no Centro Cirúrgico ambulatorial.
Redução de 50% nas atividades desenvolvidas na Unidade de Diagnóstico por Imagem e Métodos Gráficos (UDIMG).
Restrição de exames externos na Unidade de Laboratório de Análises Clínicas às requisições da Unidade de Oncologia e da Unidade de Transplantes do hospital.
Na resolução, a superintendência do hospital afirma que a “adequação” da estrutura assistencial do hospital é provisória e que as atividades suspensas ou reduzidas retornarão, à medida que as dificuldades orçamentárias sejam solucionadas.

O g1 procurou a direção do hospital para questionar qual foi a redução orçamentária e qual o impacto na quantidade de atendimentos à população. Em nota, o Huol informou que “o superintendente do hospital se encontra em Brasília-DF, onde nesta terça-feira (8), juntamente com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), manteve tratativas com o Ministério da Educação, visando solucionar a suspensão dos serviços, através da liberação de orçamento suplementar que garanta regular funcionamento até o término do exercício financeiro atual”.

No documento, a superintendência afirma que “permanece em discussão com gestores SUS e com a Ebserh-administração central na busca de suplementação orçamentária para normalizar as atividades assistenciais da unidade hospitalar”.

Procurada, a UFRN informou que é responsável pela gestão acadêmica do hospital universitário, enquanto a Ebserh é responsável pela gestão financeira.

Servidores disseram que foram pegos de surpresa, pelas medidas, embora soubessem da realidade orçamentária da unidade. De acordo com eles, os gestores já vinham recomendando maior economia de objetos básicos do trabalho, como luvas.

“O 4º andar recebia pacientes com doenças infectocontagiosas, como Covid. Uma sala de cirurgia tem três a quatro cirurgias por dia. Imagina o impacto disso em um mês, ou no ano. Essa redução do orçamento já vem de um bom tempo, vem faltando luvas, máscaras, temos redução de produtos para o trabalho, coisas que se quebram e ficam sem conserto. E agora temos essa decisão muito drástica”, lamentou a técnica de enfermagem Auricélia Lopes de Aquino, que é servidora da unidade.

Segundo a resolução da superintendência, as medidas foram tomadas considerando-se a redução do orçamento do hospital em 2022 e que até o momento “não está definida suplementação orçamentária para suportar as despesas de custeio do hospital até o final ano”.

O documento diz que a redução de serviços é necessária para manter a unidade hospitalar em atividade e permitir que gastos gerais com consumo de energia, água, telefonia, bem como com terceirização de higiene e limpeza, possam ser convertidos em recursos para a manutenção das atividades assistenciais e acadêmicas.

Fonte: G1


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *