Cientistas da UFRN criam novo processo de obtenção de materiais para indústria através do bagaço da cana

Um grupo de dez pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) conseguiu obter uma sílica, considerada um dos principais constituintes da indústria de base moderna. Trata-se de um material importante para o desenvolvimento de diversos produtos, como tintas, cosméticos, pneus de carro, revestimentos e filtros de água e na indústria petrolífera, a partir das cinzas do bagaço in natura da cana-de-açúcar. O diferencial do produto é que a obtenção de sílica gel é feita a partir das cinzas desse resíduo, sendo necessária apenas a utilização de materiais de baixo custo e havendo facilidade no processo de síntese e diminuição no consumo da energia necessária para sua obtenção. Sem dúvida, um processo inovador no campo da investigação científica.

Esse processo contribui para a preservação do meio ambiente porque reutiliza o bagaço da cana, podendo agregar um maior valor comercial bastante importante à cadeia de produção da cana-de-açúcar e do etanol de primeira e segunda geração. O pedido de concessão para este Processo de Obtenção de Sílica proveniente da Cinza in natura do Bagaço da Cana-de-Açúcarem estava em aberto desde abril de 2017, e recebeu patente definitiva só agora na última terça-feira (10).

A pesquisa contou com a participação de José Carlos Florêncio de Andrade, Etemistocles Gomes da Silva, Renata Martins Braga, Dulce Maria de Araújo Melo, Valdic Luiz da Silva, Rafael Viana Sales, Fernanda Maria de Oliveira e Keverson Gomes de Oliveira, dentro das suas áreas específicas.