Coligação moderada é discutida pela esquerda em São Paulo

Partidos de esquerda discutem a possibilidade de formar uma coligação moderada para as eleições municipais em São Paulo. A ideia é equilibrar a chapa com um nome mais identificado com o centro para diminuir a rejeição do eleitorado moderado. A reportagem apresenta os principais nomes cotados para a prefeitura, bem como as dificuldades para uma…

As eleições municipais de 2024 em São Paulo já começaram a movimentar os partidos políticos, com destaque para a esquerda, que discute estratégias para a formação de uma chapa forte para a disputa à prefeitura da capital paulista.

Um dos principais argumentos utilizados por líderes partidários é o êxito da chapa presidencial composta por Luiz Inácio Lula da Silva e Geraldo Alckmin, que obteve 53,54% dos votos válidos em São Paulo na última eleição presidencial. Eles defendem que uma coligação moderada tem potencial para vencer a eleição municipal.

De acordo com um acordo firmado no ano passado entre PT e PSOL, o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP) deve ser o candidato do presidente Lula à sucessão na capital paulista. No entanto, a ideia que vem sendo defendida é que a chapa seja equilibrada por um nome mais identificado com o centro, a fim de diminuir a rejeição ao candidato, sobretudo entre o eleitorado moderado.

O nome mais cotado para essa posição é o da deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP), que tem perfil mais próximo ao do vice-presidente Geraldo Alckmin, também do PSB. No entanto, dirigentes do PSOL reconhecem dificuldades para essa composição, já que Tabata também é pré-candidata à prefeitura de São Paulo. Além disso, em um acordo em que o PT abre mão da cabeça de chapa, é considerado natural que ele queira fazer parte da coligação partidária com o posto de candidato a vice-prefeito.


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *