“De mãos dadas”: A importância do trabalho em grupo

Por Keillha Israely – Assistente Social Casa Durval Paiva Sabe aquela frase de efeito: “Ninguém solta a mão de ninguém”, ela possui muito significado. Afinal, contar com o outro é fundamental em qualquer circunstância das nossas vidas, o apoio é primordial. Nos momentos mais difíceis, a chamada rede de apoio é peça chave para oferecer…

Por Keillha Israely – Assistente Social Casa Durval Paiva

Sabe aquela frase de efeito: “Ninguém solta a mão de ninguém”, ela possui muito significado. Afinal, contar com o outro é fundamental em qualquer circunstância das nossas vidas, o apoio é primordial. Nos momentos mais difíceis, a chamada rede de apoio é peça chave para oferecer suporte e segurança.

Receber o diagnóstico de uma doença grave como câncer é algo pesado, traumatizante, muitas famílias relatam que é como se o mundo estivesse desabando na sua cabeça ou chão se abrindo e você está caindo num buraco sem fim, é assustador. Nesse momento, é de extrema relevância poder contar com o apoio dos familiares, amigos, profissionais qualificados e, também, com uma rede de apoio que vai sendo tecida, construída.

A Casa de Apoio à Criança com Câncer Durval Paiva recebe, todos os meses, novas famílias e pacientes, após a tão temida notícia e diagnóstico do câncer. A instituição possui profissionais capacitados para acolher e oferecer suporte a estes e, nesse espaço, também é formada uma rede de apoio importante, constituída por mães, avós, tias, irmãs, pais, que se encontram no mesmo mar de dúvidas, angústias e inquietações que o câncer traz. Algumas a mais tempo navegando e outras que acabaram de mergulhar. Essa rede construída é como se fosse um bote, que vai ajudar a enfrentar as tormentas desse mar.

O grupo “De mãos dadas” foi pensado para fortalecer essa rede, por meio do trabalho em grupo, coordenado pelos setores de serviço social e psicologia, numa perspectiva interdisciplinar.
Nos encontros busca-se oferecer um espaço de escuta, acolhimento e muita troca de vivências e experiências, que proporcionam o fortalecimento e estreitamento dos laços que tecem a rede de apoio.

Para muitas acompanhantes, a estadia na Casa Durval Paiva pode ser longa, meses a fio e isso depende diretamente do diagnóstico e tipo de tratamento, contribuindo para que esse se torne um segundo lar para muitas famílias. Sozinhos não somos nada.


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *