Editorial: Fátima deve explicações à sociedade potiguar

Este blog e seu blogueiro foram transparentes com seus leitores em 2022, quando apoiamos a reeleição da governadora Fátima Bezerra (PT). Aderimos ao discurso de que havia sido necessário 4 anos de reestruturação do Estado para enfim podermos recolocar o RN no trilho do desenvolvimento.

O primeiro mandato da governadora foi marcado pela ausência de realizações e investimentos. A qualidade dos serviços públicos, quando não sofreu depreciação, ficou estagnada. Mas havia um motivo coerente para acreditarmos que não havia sido tempo perdido: o Estado estava quebrado, devido a seguidas administrações irresponsáveis.

Passada a eleição, contudo, voltamos a nos deparar com a narrativa do Estado falido. Recebemos constantemente denúncias de prefeitos, empresas, profissionais e servidores que dão conta de o Governo do RN não vem cumprindo com suas obrigações financeiras.

Sem dar maiores esclarecimentos, o governo Fátima apenas remete o problema à herança das gestões anteriores. Então, fica a pergunta, o que foi feito ao longo dos quatro anos em o RN pacientemente deu carta branca para Fátima reestruturar a máquina do Estado?

Nem durante a campanha de 2022 nem agora, diante do crescente descontentamento popular, o governo dá respostas claras. No RN, parece que ninguém sabe ao certo qual o real quadro das finanças do Estado.

A sociedade precisa – e começa a exigir – que o governo responda a essas e outras questões. Fátima não pode governar mais 4 anos com uma carta em branco. Ela precisa dizer claramente qual a real situação do Estado. Precisa expôr com clareza quais seus planos para o RN durante os 3 anos e 7 meses restantes de seu mandato.

O governo parece apartado da sociedade. Encastelado e convencido de que está certo, não presta contas a ninguém. Numa democracia, tanto quanto votar é direito do cidadão conhecer os resultados e os planos dos governos que elegem. Nosso RN parece até que perdeu as esperanças. Está prostrado diante da ausência de perspectivas.

Ainda acredito que o governo Fátima possa trazer desenvolvimento ao RN. Mas, como muitos, vejo sinalizações contraditórias entre o que o governo comunica e o que realiza. Para seguir apoiando a gestão, precisamos que o governo enfim nos diga porque devemos confiar que eles sabem o que estão fazendo. Passou a hora da fé cega. Nada mais justifica a complacência com que o governo vem sendo analisando pela crítica progressista.

Espero, para o bem de nosso estado e de nossa população, que Fátima responda a tempo aos questionamentos sérios que surgem sobre sua administração. E sobretudo espero que a governadora sinalize à sociedade de forma clara porque ela deve seguir confiando. Antes que seja tarde e o retrocesso cresça sobre os escombros de um governo que ainda teima em não dizer a que veio.