Em Extremoz, um retrato de nossa educação pública

O Blog do Girotto visitou a convite as instalações onde antes funcionava a Escola Estadual Professora Lígia Navarro. Encontramos um cenário desolador, o que fora uma escola cheia de vida, transpirando amor pelo conhecimento, agora se resume a destroços nos quais é perigoso circular. A escola se situa na cidade de Extremoz, região metropolitana de…

O Blog do Girotto visitou a convite as instalações onde antes funcionava a Escola Estadual Professora Lígia Navarro. Encontramos um cenário desolador, o que fora uma escola cheia de vida, transpirando amor pelo conhecimento, agora se resume a destroços nos quais é perigoso circular.

A escola se situa na cidade de Extremoz, região metropolitana de Natal, à beira de belas dunas que são vistas de seus pátios. Aliás, extensos pátios convidando a estudantada a ao convívio e aos esportes.

Antes de ser fechado, o prédio da escola chegou a ter partes interditadas por iniciativa da própria direção. Foi o caso do espaço onde funcionava a biblioteca, cujo telhado desabou. Isso foi em 2020. Em 2021, veio a interdição total da construção, pelo setor de engenharia da Secretaria Estadual de Educação, devido ao risco de novos desabamentos.

Desde então, a Lígia Navarro passou a funcionar no prédio da Escola das Dunas, também em Extremoz. O diretor do colégio, professor Jair Ferreira, se diz grato à forma como foram recebidos no novo espaço, mas ressalta que “tivemos perdas irrecuperáveis. Saímos de 800 alunos para 650. Algumas turmas não puderam ser abertas no novo ano letivo porque faltam salas de aula. Infelizmente, sequer podemos recepcionar todos os alunos que solicitam matrícula, porque não temos onde instalá-los”.

Triste sina

Já em novo endereço provisório – um provisório que se arrasta por anos – a escola Lígia Navarro sofreu outro baque. Em junho de 2022, um incêndio destruiu diversos espaços, entre eles a sala de computação, a secretaria e a biblioteca. “Uma coisa muito triste”, conta Jair, “perdemos mais de 10 mil livros. E até hoje eles não foram repostos. Falta livro didático e material de apoio para nossos estudantes.”

A nova sede também foi vitimada por um incêndio, pouco depois. O mal funcionamento da rede elétrica destruiu parcialmente o refeitório da Escola das Dunas e até hoje os estudantes e funcionários se alimentam sem ter onde sentar.

População sofre com a situação

A escola Lígia Navarro atende a cerca de 30 comunidades do município. Enquanto a população de Extremoz saltou, nos últimos anos, de 22 para 63 habitantes, nenhuma escola estadual foi aberta no período.

Com um único prédio abrigando duas escolas, toda a região agora lida com a escassez de vagas, e muitos estudantes são forçados a se deslocar por grandes distâncias para poder estudar. A situação agrava ainda mais as dificuldades de muitos moradores das redondezas, que abriga diversas comunidades carentes.

Reivindicações não têm resposta

A comunidade escolar procurou por diversas vezes a Secretaria de Educação e chegou a solicitar audiência com a governadora Fátima Bezerra. Mas nunca conseguiram uma resposta para sua pergunta mais importante: quando a Lígia Navarro poderá voltar para sua casa.

“Eles não nos dão acesso. Acredito que nem comunicam à governadora sobre o que acontece em nossa escola”, explicou o professor Jair.

Em fevereiro deste ano, o governo do Estado realizou uma cerimônia para lançar o edital de licitação da construção dos IERNs (Instituto de Educação do RN) e o programa de internet banda larga para as escolas estaduais. Os professores da Lígia Navarro estiveram presentes e ouviram da governadora o reforço da promessa feita em 2022: que a escola constaria nas ações iniciais do Nova Escola Potiguar, programa do governo que inclui a construção dos IERNs e a reforma de outras 10 escolas.

As obras na escola nunca começaram. Mas em maio uma equipe da empresa licitada foi ao prédio abandonado para instalar a internet.

Outra ironia que ronda a triste trajetória recente dessa importante escola é a construção de seu ginásio esportivo. Iniciada em 2018, a obra foi dada como concluída no site do Ministério da Educação no ano seguinte. Contudo, ela nunca ficou pronta.

Informada da situação, a equipe do colégio foi atrás de cobrar respostas. Foram informados que a empresa contratada havia aberto falência e que outra a substituiria. Como podem ver nas fotos, ainda hoje a obra segue parada, embora a população local aproveite a estrutura inacabada para seu lazer.

Um ingrato papel exemplar

O professor Jair lamenta que sua escola seja hoje reconhecida pela situação de abandono que enfrenta. “Nós sempre nos esforçamos para dar a melhor educação possível para todos que chegam a nós. Mas hoje isso está muito difícil. Lígia Navarro, nossa patrona, era professora. Ela vinha até essas comunidades alfabetizar os pescadores. Por isso a homenagem. É uma vergonha que agora seu nome esteja ligado a essa realidade.”

Lígia era irmão do notório potiguar Newton Navarro. Foi uma das maiores militantes da causa da educação em nosso estado. Seu legado agora se vê maculado por uma realidade que se estende por toda a rede pública de ensino do RN. Enquanto os problemas não são enfrentados com a firmeza que exigem, gerações de estudantes são penalizadas com um ensino de baixa qualidade, comprometendo seus futuros.

Escola Estadual Professora Lígia Navarro é um exemplo duro do tamanho do desafio que temos pela frente. Mas a esperança persiste, na luta da comunidade escolar por levar sua escola de volta para casa.


Comments

5 respostas para “Em Extremoz, um retrato de nossa educação pública”

  1. Avatar de Elizabete nascimento
    Elizabete nascimento

    Triste realidade … Fui aluna dessa escola e meus dois filhos hoje estudam na mesma, lamentável ver essa situação 😞

  2. Avatar de etacir lino do nascimento
    etacir lino do nascimento

    Eu fui aluno desse Colégio É uma vergonha ao poder público

    1. imagino a dor de quem já passou pela escola; torçamos para que se resolva logo

  3. Avatar de Jair Ferreira
    Jair Ferreira

    A matéria ficou boa, descreveu bem a realidade da nossa escola. Mostrou que nossa comunidade está com um problema grave. Precisa ser resolvido, como um dever do Estado/Nação para garantir o direito à educação na nossa comunidade. Cadê a Nossa Escola?. Gratidão ao Blog go Girotto

    1. Grato pelo incentivo, amigo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *