Governo federal tem meta ousada e urgente para redução da insegurança alimentar

O governo federal afirmou que tem uma meta ousada pela frente: alcançar em, no mínimo, três anos seguidos índices abaixo de 2,5% para a insegurança alimentar. A tarefa não é simples, mas é necessária.

A insegurança alimentar grave atinge 9,9% da população do Brasil, segundo o relatório Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo, feito por cinco agências da Organização das Nações Unidas (ONU). O número é mais que o dobro do registrado em 2014, quando era de 1,9%.

O aumento da insegurança alimentar no Brasil é atribuído a uma série de fatores, entre eles a pandemia de Covid-19, a crise econômica e a política de austeridade do governo Bolsonaro.

O governo federal afirma que está tomando medidas para combater a insegurança alimentar, como o aumento do valor do Bolsa Família e a criação do Auxílio Brasil. No entanto, essas medidas ainda não foram suficientes para reverter o quadro.

O ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias, disse que está confiante de que o governo federal conseguirá alcançar a meta de reduzir a insegurança alimentar. Ele afirmou que o plano Brasil sem Fome vai unir com trabalhos diferenciados 23 ministérios para combater o problema.

O plano Brasil sem Fome ainda está em fase de elaboração, mas Dias adiantou que ele vai incluir medidas como a ampliação da produção de alimentos, o incentivo à agricultura familiar e a melhoria da distribuição de alimentos.