IFRN reduz vagas e poderá fechar um de seus campi por falta de servidores

No último dia 12, o IFRN foi forçado a reduzir o número de vagas ofertadas em Lajes por insuficiência de servidores. Ao todo, o déficit de profissionais já chega a 111 professores e 125 técnicos administrativos. Agora, diante do agravamento da situação, cogita-se até mesmo encerrar as atividades de um de seus 22 campi espalhados…

No último dia 12, o IFRN foi forçado a reduzir o número de vagas ofertadas em Lajes por insuficiência de servidores. Ao todo, o déficit de profissionais já chega a 111 professores e 125 técnicos administrativos. Agora, diante do agravamento da situação, cogita-se até mesmo encerrar as atividades de um de seus 22 campi espalhados pelo RN.

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) tem sido há mais de 100 anos um agente vital no desenvolvimento social e econômico de nosso estado. Após sua expansão nas últimas décadas – que mudou a vida de muitas cidades do interior e suas regiões – o IFRN agora encontra grandes barreiras para manter suas atividades.

A principal delas tem sido a insuficiência de pessoal. Segundo levantamento da instituição, o déficit no quadro de profissionais já chega a 111 professores e 125 técnicos administrativos.

Agravando o problema, o IFRN tem sido cobrado por diversos órgãos – como o TRE e até mesmo o próprio Governo Federal – que requerem servidores da instituição sem quaisquer perspectivas de recomposição dos quadros.

No último dia 12, o colegiado do campus do IFRN em Lajes aprovou – a contragosto, diga-se – a redução do número de vagas que oferece para novos estudantes de toda a região. Há anos trabalhando acima do limite de suas capacidades, a instituição viu esgotadas suas margens de atuação, enquanto a recomposição dos quadros segue nas promessas do governo.

Obtivemos ainda relatos que confirmam que há nos campi do IFRN prédios inteiros que se encontram sem uso por falta de servidores para os serviços mais essenciais, como abrir e fechar as instalações.

Em Jucurutu, por exemplo, onde deveriam trabalhar 13 técnicos administrativos, há apenas dois lotados; dos 20 professores que deveriam estar disponíveis para o campus, a unidade de Jucurutu conta com apenas 11.

A situação parece ter chegado ao limite devido a novas requisições de servidores sem reposição. Em um despacho emitido na manhã de hoje (25), a instituição deixou claro que a situação é grave e que poderia vir a exigir o fechamento de uma de suas unidades para a realocação de servidores.

O Despacho #1236608, disponível eletronicamente, se encerra com o seguinte trecho, que certamente causou desgosto em quem teve que escrevê-lo:

Ademais o IFRN encontra-se com déficit de 127 Técnicos Administrativos em relação a Portaria 713/2021-MEC o que tem inviabilizado ofertas e prejudicado o funcionamento de diversas unidades. Alternativamente sugerimos consultar o Ministério da Educação acerca da possibilidade de fechamento de um dos campi do IFRN de modo que possamos realocar nossa força de trabalho e atender a todas as requisições que recebemos do governo federal nos primeiros meses do corrente ano.

Sem resposta rápida do Governo Federal, que corrija os danos causados ao IFRN nos últimos anos, o Rio Grande do Norte poderá ser penalizado com a perda de mais vagas e até – tragicamente – com o fechamento de unidades daquela que é uma das mais importantes instituições atuando em nosso estado.


Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *