João Maria Fraga lança “Censura, Música e Resistência”, seu novo livro sobre a música e a Ditadura Militar

Nas últimas semanas iniciei a leitura de A revoada dos galinhas verdes: uma história da luta contra o fascismo no Brasil. Trata-se de uma até divertida análise da trajetória da Ação Integralista Brasileira. A leitura foi uma recomendação do amigo João Maria Fraga, que acolhi como preparação a leitura de seu novo livro, Censura, Música…

Nas últimas semanas iniciei a leitura de A revoada dos galinhas verdes: uma história da luta contra o fascismo no Brasil. Trata-se de uma até divertida análise da trajetória da Ação Integralista Brasileira. A leitura foi uma recomendação do amigo João Maria Fraga, que acolhi como preparação a leitura de seu novo livro, Censura, Música e Resistência: os governos militares brasileiros na sala de aula de História.

O livro do professor Fraga busca enriquecer o ensino de História, “despertando o interesse dos alunos e estimulando o pensamento crítico acerca desse importante capítulo da história do Brasil”, conforme declarou em entrevista ao Saiba Mais.

Fraga defende que a música pode ser usada como um recurso didático e uma fonte histórica para abordar os governos militares brasileiros. A escolha pela linguagem musical como instrumento didático-pedagógico teria o intuito de motivar os estudantes nas aulas de História.

O cabra já fez um teste drive da ideia, realizando a experiência com turmas do 3º ano do ensino médio no Colégio Marista de Natal – o resultado foi sua dissertação no mestrado em ensino de História pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A indagação que impulsionou a pesquisa foi: como utilizar a música como recurso didático e documento histórico nas aulas de História? Durante o estudo, Fraga analisou o contexto político, econômico, social e cultural do Brasil, levando em consideração seis canções escolhidas pelos alunos.

As músicas selecionadas foram: Opinião (1964), de Zé Kéti; Pra não dizer que não falei das Flores (1968), de Geraldo Vandré; É Proibido Proibir (1968), de Caetano Veloso; Cálice (1973), de Chico Buarque de Holanda; O bêbado e o equilibrista (1979), de João Bosco; e Vai passar (1984), de Chico Buarque. Essas canções foram escolhidas dentro de um recorte cronológico baseado na censura ocorrida durante o período dos governos militares, que compreendeu de 1964 a 1985.

Dessa forma, o professor aborda os 21 anos de governos militares em três fases: do golpe civil-militar em 1964 até a edição do AI-5 em 1968; da entrada em vigor do AI-5 até sua revogação em 1978; e da revogação do AI-5 até a eleição de Tancredo/Sarney em 1985.

A obra será lançada no próximo dia 1º de agosto, às 19h, no Landara Mall, em Tirol.

Você pode adquirir o livro no lançamento ou entrar em contato com o autor por seu Instagram, de onde também é possível garantir seu exemplar. O meu já está reservado, só aguardando o devido autógrafo.


Comments

2 respostas para “João Maria Fraga lança “Censura, Música e Resistência”, seu novo livro sobre a música e a Ditadura Militar”

  1. Avatar de Lucas Vinicius
    Lucas Vinicius

    Parabéns,meu amigo!

  2. Avatar de Dulce Leda Montenegro
    Dulce Leda Montenegro

    Você É Fantástico ! Estou Anciosa Pelo Evento e Pra Ler o Livro ! 👏🏿👏🏻👏🏾👏🏼👏👏🏽👏

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *