Mensagem do leitor Rodrigo Barros

Abaixo publicamos a mensagem do leitor Rodrigo Barros.

Muitos de nós têm acompanhado, através da imprensa nacional e internacional, a repercussão sobre as supostas joias vindas do Oriente Médio, mais especificamente da Arábia Saudita, para, em tese, compor o acervo da Presidência do Brasil. Aparentemente, segundo informações de agentes da Receita Federal, havia um intuito de que os presentes vindos de lá fossem destinados a presentear a ex-primeira dama e não o governo brasileiro. As investigações seguem em busca de uma resposta.

Dito isso, é necessário ressaltar, de forma categórica, a importância do servidor público neste país. A sociedade precisa compreender que os agentes públicos concursados, em sua larga maioria, são o muro de arrimo para desmandos de alguns cargos em comissão. Em muitos casos, esses servem a interesses que vão na contramão dos anseios dos contribuintes, atuando como títeres (MARIONETES) para satisfazer interesses pessoais, tanto seu quanto dos titereiros.

Em tese, os servidores públicos são aqueles que servem ao público. Todavia, é possível criar manobras, dentro dos 3 poderes, para restringir a atuação desses servidores em setores de extrema importância para a sociedade. Desta forma, cria-se uma espécie de contenção para impedir que o povo tenha acesso irrestrito a serviços, dados e informações de determinados setores.

Não é mais moderno, e muito menos razoável, que façam do serviço público esteira para projetos políticos para beneficiar a meia dúzia de gatos pingados, enquanto o corpo da população fica à mercê da sorte.

Mostra-se urgente e inadiável que o abismo construído, durante anos pela má casta política, entre a população e os servidores públicos venha abaixo e que, juntos, possamos criar uma ponte robusta em direção a um real progresso.

Rodrigo Barros