Mossoró: Allyson decola e oposição segue sem rumo


Juventude e perfil moderno e arrojado compõem a imagem que Allyson Bezerra projeta para seus eleitores. Seu desafio será confirmar que consegue superar as velhas práticas que prenderam a capital do Oeste ao atraso por décadas e resistem tentando se perpetuar.


O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra (SDD), segue bem avaliado pelos eleitores da capital do Oeste. É o que mostram os números da mais recente pesquisa de opinião realizada na cidade.

A LOGOS – Assessoria e Pesquisa de Gestão divulgou ontem sua pesquisa sobre a avaliação dos mossoroenses quanto às gestões de Allyson e Fátima Bezerra (PT). O prefeito de Mossoró tem impressionantes 75,58% de eleitores que consideram sua administração ótima ou boa. Os que disseram julgar a administração regular são 12,5%. Ruim e péssimo têm 7,33%; 4,56% declararam não saber avaliar.

Allyson se mantém desde seu primeiro ano de mandato com índices de aprovação superiores aos 70%. Grande parte desse saldo positivo se deve à imagem de gestor arrojado e moderno que foi capaz de projetar, enfrentando questões administrativas e interesses corporativos que costumam embargar o debate político.

A Prefeitura de Mossoró tem ambiciosos planos de desenvolvimento para a cidade. Ainda está claro como serão financiados os projetos, mas já se sabe que Allyson tem buscado ampliar sua base de aliados para obter apoio para as ações que pretende implementar.

Em seu primeiro mandato à frente do Executivo, o jovem prefeito muitas vezes tem resvalado para práticas consagradas das elites tradicionais, as mesmas que seus eleitores rejeitaram nas urnas ao elegê-lo. Mas construir novas formas de governança não é tarefa fácil, admitimos. Há uma força de inércia e atraso que permeia toda a política. E o RN é um caso clássico do velho que não deseja permitir o surgimento do novo.

E por falar em elites, a oposição mossoroense segue desnorteada. Flertando com o passado que levou a cidade ao atraso, contrói alianças e se vincula a lideranças nas quais a população já apostou e se arrependeu. A recente aproximação de partidos da esquerda com a ex-prefeita Rosalba Ciarlini mostra que a oposição não um projeto para apresentar para Mossoró.

Ao flertar com atraso, em nome de uma oposição a qualquer preço contra a gestão de Allyson, a oposição manda um recado claro para o eleitorado: sua disputa é apenas pelos espaços de poder, ela não tem qualquer proposta para melhorar a gestão da cidade.

Para piorar a situação da oposição, o números da avaliação do eleitor mossoroense quanto ao governo de Fátima Bezerra também são preocupantes. Somados bom e ótimo, Fátima fica nos 26,58%. 24,8% consideram sua gestão regular. E 37,89% avaliar que o governo Fátima é ruim ou péssimo.

Com dois anos de mandato pela frente, o jovem prefeito ainda pode corrigir os equívocos que o distanciam de um progresso ainda maior, tanto na gestão quanto junto ao eleitorado. Os caminhos políticos da capital do Oeste parecem traçados: Allyson tem a iniciativa e a oposição tenta reagir, sem saber como e para onde se encaminhar.

Sobre a pesquisa

A pesquisa foi realizada pela empresa LOGOS – Assessoria e Pesquisa de Gestão – entre os dias 23 a 26 de maio. Foram ouvidos 1.008 eleitores nas zonas urbana e rural de Mossoró. O intervalo de confiança estimado é de 98,51%, com margem de erro de 1,48%.