Mundo estranho? Ministro de Lula critica ações do MST

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, condenou em entrevista recente a ocupação de um latifúndio da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Petrolina, Pernambuco. Segundo o ministro, “não é a melhor forma de lutar por qualquer coisa” e há “instrumentos melhores e mais efetivos” para conquistar a reforma agrária, que é uma das principais bandeiras do movimento.

No caso em questão, cerca de 600 famílias ocuparam a propriedade da Embrapa como parte da Jornada Nacional de Lutas em Defesa da Reforma Agrária, também conhecida como “Abril Vermelho”, iniciada na segunda-feira (17/4). A data marca 27 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, que se deu em 1996 no município paraense e resultou na morte de 21 trabalhadores sem terra pela Polícia Militar.

Além da Embrapa, o MST também ocupou sedes do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em três Estados brasileiros: Rio Grande do Sul, Ceará e Minas Gerais. E RN, por cerca de 24 horas.

Padilha afirmou que o governo está tomando medidas importantes para fortalecer a agricultura familiar no país, incluindo um programa de aquisição de alimentos relançado pela gestão do presidente Lula.

Segundo o ministro, é importante viabilizar economicamente os assentamentos rurais existentes e melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem nesses espaços. “Boa produção da agricultura familiar significa comida saudável na mesa do nosso povo”, disse Padilha.