Secretário de Fátima: “Se pagasse os bancos, atrasava o servidor”

Às vésperas da eleição na qual a governadora Fátima Bezerra (PT) disputava a reeleição, seu governo se apropriou indevidamente de recursos particulares para poder manter a folha salarial em dia. A confissão foi feita pelo próprio titular da Secretaria Estadual da Administração (Sead), Pedro Lopes.

Pedro Lopes confessou que o governo Fátima vem praticando desde agosto do ano passado o crime de peculato-desvio (saiba do que se trata esse crime nesta matéria).

Agrava a situação o fato de a ação ter sido cometida às vésperas da eleição, quando o atraso na folha de pagamentos destruiria o principal discurso de Fátima pela reeleição: o fato de enfrentar nas urnas o vice do governador que atrasou salários.

A declaração foi dada ontem à Comissão de Administração, Serviços Públicos, Trabalho e Segurança Pública da Assembleia Legislativa. A prática do governo, confessada por seu secretário, é crime e prevê penas de multa, prisão e perda do mandato.