Semana começa com perspectiva de greves e paralisações no RN; ônibus param em Natal na quarta-feira

Diversas categorias estaduais e da capital estão em mobilizações que poderão levar à greves; algumas delas já estão paralisadas, como é o caso dos servidores do DETRAN, que segue em greve por tempo indeterminado. Na última semana, o governo anunciou que irá à Justiça contra a paralisação, que julga abusiva.

Já os trabalhadores do Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais do Rio Grande do Norte (Ipern) anunciaram que vão promover uma parada de advertência para pressionar o governo pela reestruturação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração e realização de concurso público. A parada de advertência irá até amanhã (18). “Ao final do movimento, a gente vai avaliar se a parada irá se repetir no próximo mês ou não. Isso é em função da falta de compromisso do governo com a garantia de direitos com os servidores, que tem negado peremptoriamente o reajuste salarial do funcionalismo de vários órgãos. Apenas algumas categorias têm sido atendidas, mas isso não é justo”, afirmou o representante do Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Indireta (Sinai-RN), Santino Arruda, à imprensa.

Para a quarta-feira (19), o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário do RN (Sintro-RN) aprovou indicativo de greve no sistema de ônibus da capital. Gilvan Silva, diretor executivo do Sintro, disse que a reivindicação é pelo reajuste salarial da categoria e também do vale alimentação. “Estamos pedindo aumento de 8,83% no salário e reposição de 14,3% para o vale alimentação. Na terça, nós vamos ter outra reunião com os empresários, mas já lançamos o edital de greve porque, se não houver avanços na negociação, teremos cumprido o prazo legal de 48 horas de aviso [de greve] e poderemos entrar com a paralisação na quarta”, explicou.

Também na quarta, os profissionais da rede pública de Saúde do Estado cruzarão os braços para reivindicar a negociação da data-base 2023.Os trabalhadores pedem reposição das perdas salariais de 21,87%; implementação e pagamento do adicional dos técnicos de Radiologia; reenquadramento dos profissionais com observância ao tempo de serviço; convocação do cadastro de reserva e realização de novo concurso público; implantação das mudanças de carga horária de 30h para 40h; e instalação de uma Comissão para o Piso Salarial da Enfermagem.

O SINPOL – que representa policiais civis e servidores da Secretaria de Segurança – declarou que aguardará até o dia 9 de agosto por uma resposta definitiva do governo. Em assembleia, a categoria também sinalizou a possibilidade de uma paralisação.