Stiglitz defende reforma tributária mais progressiva no Brasil

O americano Joseph Stiglitz, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2001 e ex-presidente do Conselho de Assessores Econômicos no governo Bill Clinton, deu uma entrevista à BBC News Brasil em que defende os governos de centro-esquerda como mais eficientes na gestão da economia do que a direita. Ele também concorda com as críticas do presidente Lula ao Banco Central por manter a taxa básica de juros do Brasil em 13,75% ao ano, destacando que isso prejudica a competitividade do país e enfraquece a economia nacional.

Stiglitz argumenta que a política de elevação de juros, que é a resposta normal para um excesso de demanda agregada, é inapropriada no contexto atual e pode exacerbar as pressões inflacionárias. Além disso, o economista defende a reforma tributária proposta por Lula, destacando a importância de um sistema tributário mais progressivo, que arrecade mais de quem tem mais renda e patrimônio.

Apesar da importância das declarações de Stiglitz, a entrevista não recebeu atenção da mídia nacional. Suas opiniões mereciam ter impacto significativo no debate econômico do país, especialmente em um momento em que se discute a política monetária e a reforma tributária.